terça-feira, 22 de julho de 2014

Desculpe, David Luiz - Por Cristovam Buarque


Também assistia ao vivo enquanto o David Luiz se desculpava, depois de ler este texto do Senador, fiz questão de colocá-lo no meu blog. Realmente precisamos pensar mais coletivamente a todo momento e não só na Copa do Mundo.

Boa leitura!
_______________________________________________________________________

Senado Federal
Discurso do Senador Cristovam Buarque Plenário do Senado Federal 

09/Julho/2014 
Desculpe, David Luiz 

*Por Cristovam Buarque


O Brasil é um País privilegiado. Sabemos do privilégio na natureza e nas características do povo, mas tem um privilégio na história: o fato de que não termos traumas que outros países têm nas
suas histórias. Nunca perdemos uma guerra, nem nos nos rendemos.

A Alemanha sofreu duas derrotas e rendições em um mesmo século. A França que foi invadida e ocupada durante quatro anos pelo exército alemão. Os Estados Unidos tiveram uma traumática guerra civil e presidentes assassinados. Nossos traumas se resumem ao suicídio de um presidente, e perda da Copa do Mundo para o Uruguai, no último minuto, 64 anos atrás.

Agora, neste 8 de julho de 2014, ficamos com a sensação de um grande trauma nacional por causa da desastrosa derrota por 7 a 1 que nossa seleção sofreu diante da Alemanha. Por sermos o país do futebol, por termos este esporte entrando na alma de nosso povo, e por sermos atualmente bons, os melhores historicamente, nós temos a razão de sentirmos o trauma com a derrota da seleção ontem. O que surpreende é como não temos outros traumas.

Por exemplo, estamos profundamente abatidos no Brasil inteiro porque perdemos de 7 a 1 para a Alemanha, mas jamais nos lembramos de que a Alemanha teve 103 Prêmios Nobel e nós nenhum.
Com toda a tristeza que sinto pelo fato de termos sido derrotados, e com um escore tão grande, do ponto de vista do interesse nacional, do ponto de vista das consequências para o futuro, é muito mais grave para o futuro do País o fato de estarmos perdendo para a Alemanha de 103 a zero, no campeonato de Prêmio Nobel.